Ilhabela ganha monumento do Marco da Paz

lhabela ganha monumento do Marco da Paz e entrará para circuito internacional de cidades que fomentam a cultura da paz

O monumento é composto por um arco, feito em concreto, que abriga um sino, aludindo à música da paz dos anjos e uma pomba da paz pousada sobre ele, representando a anunciação

Ilhabela ganhará oficialmente no próximo dia 3 de agosto, o Marco da Paz, monumento reconhecido internacionalmente como um símbolo de união dos povos por uma cultura de paz mundial. A iniciativa é uma parceria entre Diocese de Caraguatatuba, Prefeitura e Associação Comercial de São Paulo. Junto com o monumento, também será inaugurada uma imagem de São José de Anchieta, apóstolo jesuíta decisivo na evangelização e pacificação dos conflitos da Confederação dos Tamoios, em terras de Iperoig, hoje Ubatuba, no ano de 1563.

O Marco da Paz foi idealizado pelo italiano Gaetano Luigi, após o fim da Segunda Grande Guerra, em que ainda menino, sobreviveu aos horrores de seis anos de matança, fome e miséria, que dizimaram mais de 50 milhões de pessoas. No entanto, o sonho só foi concretizado após sua chegada definitiva ao Brasil, mais precisamente à Capital Paulista, quando sentiu falta do badalar dos sinos da Igreja de São José de Anchieta, localizada no Pátio do Colégio São Paulo, fundado pelo Jesuíta, e soube que o símbolo havia sido roubado há mais de 15 anos.

“É muito importante as pessoas perceberem a expressiva representatividade e história desse símbolo, que agora fará parte da paisagem de nossa cidade. Esse Marco refere-se a um pedido de paz, pós-guerra, depois que muitas pessoas perderam a vida, suas famílias, amigos. A paz precisa fazer parte da vida das pessoas, de todos os países, culturas e credos. Nosso desejo é que o Marco da Paz, estabeleça em nossa cidade harmonia, união, amizade, serenidade e equilíbrio a todos”, enfatizou a prefeita, Maria das Graças Ferreira, a Gracinha.

Após tratativas com a Associação Comercial do município, sua ideia saiu do papel e foi concretizada em meados do ano 2000, ganhando réplicas posteriores em várias outras cidades do Brasil e do mundo, como São Paulo, Aparecida, Ubatuba e Bertioga, além de países como México, Uruguai, China e Itália. O monumento é composto por um arco, feito em concreto, que abriga um sino, aludindo à música da paz dos anjos e uma pomba da paz pousada sobre ele, representando a anunciação, além de uma placa com o globo terrestre, contento os mapas que simbolizam os cinco continentes da Terra e a fraternidade entre os povos. A partir da inauguração, Ilhabela entrará no circuito internacional e seleto que pode contar com um monumento certificado, possibilitando o acesso a uma rede mundial de contatos e o reconhecimento do município como uma das cidades que fomentam a cultura da paz.

São José de Anchieta

Por iniciativa da Diocese de Caraguatatuba, além do Marco da Paz, será inaugurada uma imagem de São José de Anchieta, que teve papel fundamental no tratado de paz assinado com os índios em Iperoig, terras que hoje conhecemos como o município de Ubatuba. Para convencer os nativos que lideravam a temida Confederação dos Tamoios, José de Anchieta se fez refém e conquistou o respeito e a admiração dos indígenas, a quem catequizou e educou. A tarefa que para muitos seria “impossível”, foi realizada com determinação e afinco pelo apóstolo, que para isso se valeu de diversos recursos, como comunicação verbal, escrita e também o teatro.

Não há registros históricos que comprovem a passagem do missionário Jesuíta pelo território das cidades de Caraguatatuba, São Sebastião e Ilhabela, no entanto, muitos indícios dão conta das andanças de São José de Anchieta pelas quatro cidades litorâneas. Sua contribuição para a cultura e a educação do país é inegável, tendo ainda participação essencial na fundação das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro e, por essa razão, a Diocese procura fomentar a devoção ao santo canonizado pelo Papa Francisco em 2015, também como forma de incentivo ao turismo religioso na região. Exemplo disso é a Peregrinação Caminhando com Anchieta, que ocorre há cinco anos, em que peregrinos andam de Ilhabela a Ubatuba para rememorar os caminhos que teriam sido feitos pelo jesuíta em busca da pacificação e evangelização dos povos indígenas.

O Bispo de Caraguatatuba, Dom José Carlos Chacorowski, ressalta ainda que foi nas areias de Ubatuba, que o santo escreveu o Poema a Virgem Maria, uma de suas obras mais conhecidas. “Ele foi o apóstolo do Brasil, um grande homem que ajudou na busca da paz entre colonizadores e índios, fundou o Colégio Jesuíta em São Vicente (SP) e São Paulo, uma referência para a cultura da paz não só no nosso país como para o mundo. Nos dias atuais, exemplos e ações que nos voltem para a paz devem ser fomentados e valorizados, pois a paz nunca se fez tão necessária”, conclui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *